PEQUENAS NOTÁVEIS: A FORÇA DAS MICROFRANQUIAS

Em meio à crise e oportunidades insuficientes de trabalho, uma das alternativas para aqueles que buscam novas fontes de renda é começar o próprio negócio, mas com baixo custo de operação, as microfranquias atraem a atenção dos empreendedores.

Esse modelo de negócio reúne franquias cujo custo total de implantação é de no máximo R$ 80 mil, segundo critério da Associação Brasileira de Franchising (ABF). No mercado brasileiro existem muitas opções de redes com investimentos mais em conta que se adequam a todos os bolsos, o que pode dificultar a escolha da melhor oportunidade empresarial.

Microfranquias

Entre os novos empreendedores do franchising brasileiro, estão trabalhadores que acabaram de ficar desempregados e querem investir o valor recebido em suas rescisões trabalhistas assegurando uma fonte de renda. Este setor vem aquecendo a economia do país e é, para muitos, a única alternativa na contramão da crise. Em 2010, havia 50 redes classificadas como microfranquias. Em 2011, já eram 336. Hoje, são mais de 500 marcas.

Mesmo com o aumento de custos, a baixa atividade econômica e a escassez de crédito impactando no setor, as microfranquias impulsionam o crescimento do franchising, que já acumula uma alta de 8,8% segundo a ABF comparado ao mesmo período de 2015.

A principal vantagem ao investir neste formato é apostar em uma ideia já desenvolvida e experimentada. A franquia é um modelo de negócio de sucesso, já formatado, para que o empresário não cometa erros comuns aos marinheiros de primeira viagem, além de muitas vezes contar com uma marca já posicionada no mercado, o que reduz substancialmente o investimento em marketing.

Os microempreendimentos ainda possuem números reduzidos de funcionários. Em alguns casos o único funcionário é o próprio franqueado. Há a possibilidade também de atuar no formato home based – ou seja, quando não há a necessidade de ter um ponto comercial convencional -, o que reduz os investimentos iniciais e despesas fixas, como aluguel, IPTU, água, luz, telefone e internet.

Os processos e investimentos são menores e mais acessíveis, contudo as reponsabilidades e comprometimento se mantêm no mesmo nível das franquias tradicionais. É importante que o franqueado tenha dedicação e disciplina, seguindo as orientações da empresa franqueadora. Os franqueados necessitam de atenção e capacitação. É preciso treiná-los em diferentes áreas de negócios, como finanças, empreendedorismo, marketing, vendas e atendimento ao cliente.

O negócio pode ser micro, mas o suporte e a transferência de conhecimento devem funcionar como de uma franquia tradicional. Se identificar com o segmento, pesquisar a marca, conversar com os atuais franqueados da rede e entender as dificuldades e benefícios do mercado são estratégias fundamentais para o sucesso da franquia e consequentemente do franqueado.

***Lucien Newton, especialista em franquias e diretor executivo da Loja de Franquia.com (Publicado na Coluna Franquias de A a Z no Jornal Estado de Minas de 06/11/2016)

0

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1
Olá!
Podemos ajudá-lo?
Powered by